15 de janeiro de 2007

O João que era Diogo...

Sexta-feira à noite, passeando e observando, por qualquer discoteca, bar ou rua dessa grande capital europeia que é Lisboa, por todo o lado encontramos pessoas que perderam a sua alma há já algum tempo. O espírito do momento apoderou-se de todos, o desejo carnal e sexual paira no ar. As relações humanas são deturpadas pelo insaciável desejo da anti-cultura morangos com açúcar que se está a tornar a nossa sociedade, iniciando-se a contaminação pelas camadas mais jovens, que ainda novos já se começam a tornar seres vazios que fatalmente se tornarão "cadáveres que procriam”. A imagem não é bonita nem prometedora de um futuro melhor.

26 comentários:

Prozac disse...

genial!! 'cadaveres que procriam'!! é exactamente isso para que esta juventude se esta a caminhar! nao façam nada, nao...

Romã disse...

adorei essa imagem, nem eu diria ou escreveria algo que caracteriza tão bem o futuro (e, atrevo-me, presente) da nossa querida e adorada juventude. resta-nos lutar contra isso e tentar que, mesmo procriando, passemos ao estatuto de seres humanos.

Jones disse...

é preciso mudar!e começar por escrever este tipo de avisos é um início.poderia dizer que concordava com o que a minha fellow tertuliana escreveu...mas estaria a mentir.eu não concordo só........eu concordo COMPLETAMENTE!!!é pena,mas é esta a realidade de hoje

Anónimo disse...

só clichés e copias de outros autores cadaveres que procriam isso é Fernando Pessoa... ignorantes

LeiteCreme disse...

Senhor anonimo, nao sei a quem esta a chamar ignorante, mas as aspas significam exactamente q se esta citar alguem, e Fernando Pessoa foi conscientemente citado neste nao original post, q expressa a minh indignacao sobre um episodio que presenciei. Agora agradecia para a proxima vez que comentar(que espero que o faça), espero que o faça de forma mais contrutiva e pertinente!

Anónimo disse...

Mas afinal quem é que morreu que já nao vai poder parir? Foi o João ou foi o Diogo?

O Diogo que também é João disse...

Mas têm alguma coisa contra as pessoas que têm esses dois nomes magníficos conjugados num só nome ? Tipo, sei lá ... João Diogo. Só acho que deviam por aí os vossos nomes reais, não só para eu saber de quem estou a dizer mal, como também para desvendar a minha curiosidade em relação a verdadeira identidade da Inês Vieira ... bjs para a Inês Queiroz de Almeida

Anónimo disse...

quem não sabe aceitar críticas não deve ter blogs ó leite creme

LeiteCreme disse...

caro anonimo, para achar a sua critica digna de meu aceitamento era preciso que se identifica-se. Depois eu concordei consigo q a critica nao e de facto original, agroa como ja lhe disse aceito criticas pertinentes e nao ofensivas, principalment quando nao têm razao de ser. Eu sabia perfeitamente q estava a citar Fernando Pessoa ó anonino.... ignorantes...

Anónimo disse...

"ó anonino...."??

Eu chamo-me anónimo, mas não te arrelies tanto era apenas uma pequena crítica...ninguém se quer meter nas tuas quetões pessoais, se te arrependeste isso é contigo tivesses decorado o nome dele

Anónimo disse...

"Aceitamento" não está no dicionário...

Anónimo disse...

"caro anonimo, para achar a sua critica digna de meu aceitamento"

pois não aceitamento não vem nem no de português nem sequer no de latim

James disse...

Se este post já está à escala do dito "cliché", é mau sinal com certeza, não pelo post em si, mas pelo assunto que contém. Sendo assim, o senhor ANÓNIMO não deveria mostrar o desprezo pelo conteúdo, mas sim uma preocupação face à escala que atinge..ou então nada dizer!
Ignorante por não conhecer uma frase de Fernando Pessoa no meio de milhares colocadas num pedestal? (por favor, matem os pobres coitados que não reconhecem tal frase, hereges, cães da pradaria!).
"quem não sabe aceitar críticas não deve ter blogs ó leite creme" melhor frase que esta não há...a prova de que a infantilidade reina está à vista...talvez até com um pitada de morangos com açúcar à mistura. Para ter um blog é preciso ter coragem. A verdade é que em todo o bom blog há sempre um anónimo que aproveita a seu tempo livre deitando abaixo as ideias expressas nos posts, porquê? uma vida vazia de acção e significado? ou a reserva de droga acabou e então vêm drogar o juízo e paciência dos chamados bloggers?
Qualquer pessoa sabe o que umas aspas significam, o único erro (se se pode chamar de erro), foi não ter citado a fonte, o que, a meu ver, não mostra ignorância (já que até conhecia a frase).
Esclarecimento: dentro dos comentários construtivos e pertinentes NÃO se incluem correcções arrogantes que pensam favorecer a defesa do 'comentador'... O teu nome é anónimo e não anónino? Please! É esse o melhor argumento que arranjas? Num tribunal não resistias.

Anónimo disse...

james o justiceiro!!!! POR AMOR DE DEUS!LOL
Para ter um blog é preciso ter coragem?? eu sou um cobarde e tenho um blog...
o que eu afirmei foi que o tema e a abordagem eram clichés, dado que no post nada de novo foi introduzido(abordagem) e o tema é algo de que todos falam e em que todos incorrem, contudo isso dirigiu-se ao leite creme e não a ti "justiceiro"! e ninguém disse que os comentário tinham de ser pertinentes...sendo assim james, lamento mas não tens o meu "aceitamento" nem sequer em tribunal o terias

PS-porque motivo utilizaste "cão da pradaria" como adjectivo pejorativo ,devias estar mais atento ao National Geographic para te consciencializares da nobreza desse animal nada comparável a do cão comum, utilizado como ofensa no islão.

James disse...

Nao estou aqui para fazer justiça. E a coragem não é só vista como ter força para se bater seja com quem for; a coragem de que falava era a coragem intelectual (no sentido mais informal da palavra) porque não é qualquer um que escreve coisas que lhe passam pela cabeça num espaço público e à merce de críticos anónimos. Sendo o blog de um (neste caso vários) sujeito, este tem o direito de escrever nele o que lhe apetece porque não fez o blog para satisfazer pessoas, mas para se satisfazer (por assim dizer) a si (o que não quer dizer que não o faça para as pessoas, atençao). Se tens um blog suponho que não gostes de críticas completamente depreciativas, se gostas, hey, na boa, mas não podes tratar as pessoas de igual modo. Percebe-se que sabes escrever e que tens ideias da tua cabecinha e que fazes as tuas pesquisas antes de comentares outros blogs, mas podias começar a pesquisar por "respeito" porque, ja que inteligencia nao te falta, é o respeito que te iria ajudar na pertinência dos comentários. E se os comentários não são pertinentes (e são pejorativos) revelam uma falta de respeito (para muita gente)...e isto não és tu que tens de aceitar ou não, porque não és tu o alvo de comentários ridículos.
Moving on...
É tão engraçado, mas quando escrevo, escrevo a pensar na cultura e sociedade portuguesa...ah ah ah, que pessoa mais estranha que eu sou! Normalmente usam-se "ofensas" islamicas (atençao, nao quero estar aqui a ofender o teu cerebro, mas....falas de Islão, "um país"? Pensa bem..)!
Não discutas comigo a nobreza dos animais, a serio, porque eles têm todo o meu respeito, muito mais que muito do ser humano presunçosamente separado da natureza! mas é exactamente por o homem ser assim que se usam muitos animais como ofensas para as pessoas...eu, vitima da sociedade (Oh Meu Deus), sigo a onda!

PS. "cão da pradaria" é um adjectivo pejorativo que remonta ao tempo dos cowboys americanos (os verdadeiros, os primeiros, os pioneiros), nao te dou certezas, mas é o que sei. Se usei "cão da pradaria" nao foi por o ter inventado, foi por ja reconhecer a expressão.
"whatever people say I am, that's what I'm not" - "justiceiro"? trata as pessoas pelo que elas sao...nada de justiceiros, muito menos de rapazes. I'm a girl, if you don't mind

Anónimo disse...

Mil desculpas, mas de Joyce a Brown passando por Bond todos os James que eu havia conhecido até hoje eram homens, daí a minha confusão!
Acho lisonjeante o facto de descartares a hipótese de eu me classificar como um cobarde intelectual(no sentido mais formal da palavra).
Eu acredito que todo o que está publicamente disposto na Internet e que disponibiliza um espaço para comentar, deve ser analisado e comentado(desculpa a redundancia) com a opinião sincera.Foi o que eu fiz, isso não é um atentado ao respeito de ninguém apenas uma opinião!Mas o que sei eu de respeito?Em que livro ou site posso encontrar qualquer coisa sobre isso?
Eu pensei que não fosse necessário o esclarecimento mas como não quero que fiques com dúvidas: Islão não é um país mas sim uma religião assente nos principios da escritura sagrada: Alcorão! Se permeneceres com dúvidas podes requisitar mais noções sobre o islamismo ou mesmo consultar uma enciclopédia ;)


Ps- desconheco que alguém utilize como insulto um animal tão adorável como o cão da pradaria, só se fôr pelo seu tamanho reduzido há pessoas que se importam muito com isso.

James disse...

No problem; James é apenas um tributo, e uma resposta ao pedido de não assinar com o meu verdadeiro nome, que, pensando bem, me torna, nada mais nada menos, que um anónimo (mas tem sempre outra classe!).
Ao primeiro comentário é normal que dês a opinião sincera (apesar de ter tido partes desnecessárias), mas depois de um pedido, seria de esperar que tivesses a decência de respeitar o blogger, introduzindo comentários mais pertinentes; e é só aqui que reside o problema..
Quanto ao islão, a minha única dúvida seria se tu sabias do que falavas, porque, acredites ou não, há gente que pensa que o islão é um país, e pela tua escrita, era o que parecia!

Nos tempos em que mais se usava o termo "cão da pradaria", o cão era mesmo um cão...e não um roedor. Daí poder ser mais ofensivo, pensei que soubesses (nas palavras de Jones: "conhece muito Fernando Pessoa, mas os clássicos do farwest passam-lhe ao lado, pelos vistos"). Como ja vi que os teus conhecimentos se alargam a várias áreas, não deverá ser preciso explicar mais que isto: o cão da pradaria é uma espécie de dingo (mas americano e não australiano) e é uma ofensa porque tinha um aspecto vagabundo e era um ladrão.

Penso que esta troca de comentários já se está a tornar demasiado pessoal e a fugir ao propósito inicial que é comentar (ora aí está) o post. Sendo assim, penso que esta disputa de argumentos deveria acabar por aqui. Sinceramente...

Anónimo disse...

concordo que a disputa de argumentos se dê por terminada contudo não posso deixar que deixes os leitores desta acesa discussão com uma ideia tão errada: UM DINGO???? um dingo é uma espécia de lobo um cão da pradaria parece um esquilo!!Se calhar foi só um erro tipográfico!
Quanto ás palavras de Jones eu afirmo-me como um grande fã de Sergio Leone, do Sergio Donati e mesmo do Clint Eastwood e sou um grande apreciador dos grandes Spaghettis Westerns. Mas é sempre bom arriscar Jones

"There's a fight, there's a fight, there's a fight
And the rage is growing" - também arrisquei

James disse...

Caro anónimo, parece-me que apesar dos teus vastos conhecimentos em áreas que vão da religião à biodiversidade mundial, por vezes tens um pequeno problema no português, isto é, na compreensão do dito cujo. Quando eu falei no dingo, estava a explicar como era o cão da pradaria do farwest (far no espaço...e far no tempo!). Eu sei que um cão da pradaria se parece com um esquilo, mas antes de começares a divagar nas espécies tenta compreender um pouco as palavras do português em si ("cão da pradaria" - 'o cão que vive na pradaria' é o mais simples que podes retirar daqui), daí ter dito que o cão de que EU falava (aquele cão dos cowboys) "era mesmo um cão...e não um roedor.". E é daqui que nasce a ofensa "cão da pradaria", que é o mesmo que chamar "rafeiro nojento", e não "esquilinho querido".
Capisci?

Jones disse...

meu caro anonymous, antes de responder às suas provocações dirigidas à minha pessoa, deixe-me felicitá-lo. É a pessoa que mais escreve neste blog!
Voltando ao assunto das provocações, não são do meu agrado as tiradas sarcásticas (nomeadamente aquela com a qual termina o seu discurso, sobre a qual gostaria de ser esclarecida)que utiliza para defender o seu ponto de vista. Quando referi que o meu caro conhecia Fernando Pessoa mas não o Farwest, não era com o intuito de o ofender. Pelo contrário, conhecer Fernando Pessoa é algo quase inexistente nos dias que correm, por isso quando alguém mostra provas de nadar contra a corrente eu não posso deixar de comentar. Por outro lado, não perceber de clássicos do cinema norte-americano não é crime punido por lei (pelo menos por enquanto) e não o torna uma pessoa diminuida intelectualmente. Mas já que se diz conhecedor dessa era da 7ª arte, acho verdadeiramente estranho não conhecer a expressão utilizada pela minha querida James, "cães da pradaria". Para corrigir esse seu desconhecimento face ao calão da época deixe-me dar-lhe um conselho: leia o Lucky Luke.

Anónimo disse...

Vou evitar os determinantes dada a ambiguidade sexual do nome Jones para não cometer o mesmo erro.

é com muita pena(ou não) que me vejo forçado a repudiar as tuas felicitações porque eu sou uma farsa fui autor apenas dos ultimos 4 commentários ou direi antes "colheres", os outros foi por outro(s) anonimo(s) lamento!

Assim e seguindo as palavras da anónima com classe "James", dou por terminada esta troca de "Galhardetes".
Cumprimentos a todos os cães da pradaria em ambos os sentidos

Romã disse...

chegou a minha vez de mandar um bitaite e só queria sugerir aos nossos queridos e estimados anónimos para entrarem neste baile de máscaras virtual e escolherem também um nome que os "esconda" de maneira saudável. evitavam-se assim estas confusões acima explanadas. saudações pacificas!

anonymous 3 disse...

gostava apenas de salientar que este blog e fracote e o ego das tertulianas ta demasiado elevado. anonymous tens o meu apoio! mas e giro ver estas discussoes da treta sobre nada.

Anónimo disse...

a leite creme, deve tar azeda porque o post é uma granda porcaria e sabe mesmo muito mal...sabe a lugar comum, com todas as letras.

Anónimo disse...

lugar comum é criticar este post, não? já chega, arranjem outra coisa qq onde descarregar a raiva! saudações!

Anónimo disse...

Epa enterra-te!